Ecco the Dolphin (Mega Drive) – O golfinho mais heróico da história dos videogames

Fabio Zonatto / 14 de julho de 2017 / Análises, Mega Drive

Em um tempo de padrões já estabelecidos para protagonistas de grandes aventuras – ninjas, soldados, policiais, alienígenas, ciborgues e tantos outros – Ecco the Dolphin para o Mega Drive inovava pra caramba: quem ia imaginar controlar um golfinho como personagem principal?

Mesmo em tempos onde jogos como os das Tartarugas Ninja e os Battletoads já faziam história com humanóides mutantes, o conceito de um título de aventura protagonizado por um simpático Flipper – um cetáceo normal, como os reais mesmo – nas profundezas do mar era tremendamente original e audaz. Só por causa disso, Ecco já merece seu lugar na trajetória dos videogames… Mas seria somente por este motivo que o jogo merece ser lembrado?

Hoje, o Véio vai calçar os pés-de-pato e vestir o traje de mergulho para resgatar este clássico do desconhecido estúdio Novotrade International que atualmente jaz à deriva, e do qual muitos jogadores mais jovens jamais nem ouviram falar. Como era a sensação de jogar-se com um personagem desprovido de braços e pernas e que deveria enfrentar perigos como tubarões e polvos gigantes? E por quê será que nunca vimos uma continuação desta pérola do mar para as gerações de consoles mais atuais?

Bora pro oceano e todos os seus mistérios!

Ecco: golfinho aventureiro e viajante do tempo

A trama de Ecco the Dolphin segue pela mesma premissa do jogo em si: é original e bem engendrada, apresentando muitas surpresas e reviravoltas durante o enredo.

Nela, o jovem cetáceo Ecco está em um belo dia ensolarado a nadar alegremente com seus familiares na baía onde vivem quando um de seus irmãos o desafia a saltar o mais alto que pudesse. O valente protagonista então toma impulso e realiza seu mais esforçado salto acrobático na superfície – e exatamente neste momento em que está fora da água, uma misteriosa e poderosa tromba d’água suga todos os demais golfinhos e toda vida marinha nas redondezas. Sendo o único de seu bando que escapou do sequestro, agora Ecco precisa encontrar um meio de salvar sua família.

Começa neste ponto uma épica jornada, que irá levar nosso simpático amigo aos lugares mais misteriosos e distantes dos mares de nosso planeta azul.

Ao conversar com golfinhos pertencentes a outros bandos, Ecco descobre sobre a existência de uma baleia azul anciã – a “Big Blue” – e deverá seguir até os oceanos árticos para encontrá-la e pedir por sua sabedoria e conselhos. Mas este será apenas o começo, já que nosso bravo protagonista explorará ainda cavernas ancestrais, profundezas inescrutáveis e ainda visitará a lendária e perdida cidade submersa de Atlântida! No final das contas, até no tempo – mais de 55 milhões de anos no passado – Ecco terá de viajar para recuperar um importante artefato que o auxilie na difícil tarefa de resgatar seus amigos e familiares.

Ecco the Dolphin traz a muitos jogadores aquela sensação angustiante de solidão, já que o inocente cetáceo não é nenhum aventureiro talhado por várias batalhas e pronto para tamanho desafio. Ele é simplesmente um golfinho muito corajoso, mas que tem de enfrentar sozinho, perigos terríveis e lugares tenebrosos para completar sua nobre e emocionante missão. Sentir uma grande simpatia por Ecco não é algo nada raro, e “comprar a briga” de auxiliá-lo a alcançar seu final feliz é muito natural.

Resumindo: ao começar a jogar e se envolver em sua jornada, você simplesmente não desejará que este bravo golfinho fique solitário para sempre.

Comandando um golfinho em águas misteriosas

A originalidade de Ecco the Dolphin reside principalmente em seu estilo de jogo: trata-se de um sidescroller que funciona em partes como um jogo de aventura plataforma (só que… Você sabe, sem as plataformas), e em outras como se estivéssemos jogando um shoot’em up de naves. Os principais desafios residem em evitar ou derrotar inimigos, escapar de perigos pelo cenário e manter-se sempre com suas barras de oxigênio e vida à níveis seguros.

Porém, uma coisa de cada vez: para movimentar-se nadando em altas velocidades, o jogador deve pressionar o botão correspondente continuamente, e tal velocidade pode ser mantida apenas deixando o botão já pressionado. Atacar inimigos é ação realizada por Ecco quando este investe com agressividade contra eles (uma espécie de “dash”) – porém é necessário lembrar que neste jogo, nem sempre o ataque é a melhor opção. Pode ser mais seguro e fácil simplesmente evitar algum perigo.

Como os golfinhos do mundo real, Ecco também pode utilizar seu “canto” como um sonar. Desta forma, ele comunica-se com outros cetáceos e animais marinhos em busca de informações e pistas, bem como também pode usar estas ondas sonoras para desenhar um mapa das redondezas. O comando é vital em estágios mais avançados, onde os perigos serão bem mais numerosos e saber o que vem pela frente pode salvar sua vida.

Além de comunicar-se com outros seres, o sonar de Ecco também ativa os efeitos de cristais místicos chamados Glyphs, que são encontrados em certos pontos de cada etapa. Estes misteriosos e cristalinos artefatos normalmente contêm informações que o auxiliam no gameplay e exploração, além de (em raros casos) poderem recuperar a vida e o oxigênio do herói. Alguns também estarão simplesmente bloqueando seu caminho, e neste último caso, certo item deve ser encontrado nas proximidades que o permitirá “destravar” o cristal, e assim prosseguir com a jornada.

Jamais podemos ainda nos esquecer de que Ecco é um mamífero, e como tal precisa de tempos em tempos retornar a superfície – ou encontrar algum bolsão de ar submerso – para recuperar seu oxigênio, que funciona como uma espécie de “timer” em cada fase. Caso a barra referente a ele se esgote, o golfinho começará a perder vida exatamente como em qualquer outro jogo em que podemos nos afogar. A barra de vida e a do oxigênio são distintas, e mantê-las sempre completas é seu principal objetivo.

Por fim, para recuperar a energia perdida, seja contra inimigos, armadilhas ou afogamento, Ecco pode alimentar-se de pequenos peixes encontrados normalmente em cardumes. Ele também pode “cantar” para ostras, que possuem a habilidade de restaurar sua vida. Mais adiante no jogo, o sonar do golfinho também poderá ser melhorado, o que garantirá que perigos futuros fiquem mais fáceis de serem vencidos.

Nunca se esqueça ainda de anotar as passwords que o jogo fornece a cada novo estágio. Você vai precisar delas, acredite!

Nas profundezas é que o perigo espreita

Dentre estes citados “perigos” da seção anterior, alguns dos seres nada amistosos que Ecco encontrará pelo caminho serão cavalos marinhos, polvos gigantes e temíveis tubarões caçadores. Obviamente os desafios vão aumentando com o passar das fases, que começarão como um passeio marítimo para, em estágios mais avançados, transformarem-se em pequenos pesadelos subaquáticos e mortais.

Para saber contra o que estará lidando – e também quem é aliado e inimigo nesta selva marítima – preparamos um pequeno guia da vida animal neste oceano de aventuras. Avisamos que há ainda mais criaturas no jogo não listadas a seguir, mas isso é pra não estragar a surpresa! E acredite: valerá a pena saber o que você acabou de encontrar assim que o bicho surgir na sua tela, já que neste jogo não há muita janela para erros. Dá uma olhada:

  • Orcas: embora tenham a fama de alimentarem-se de golfinhos como “Baleias Assassinas”, em Ecco the Dolphin as Orcas não são agressivas. Na verdade, muitas poderão auxiliar o herói com informações e dicas;
  • Golfinhos: como seres da mesma espécie, os demais cetáceos encontrados pelo caminho não serão um problema. Eles também podem dar boas dicas sobre o que fazer e o que você irá encontrar pelo caminho;
  • Peixes pequenos: a principal fonte de alimento de muitos mamíferos, estes cardumes coloridos podem restaurar a vida perdida de Ecco ao entrarem para o cardápio. Mas fique ligado: alguns revidam e não aceitarão virarem lanchinho tão facilmente!
  • Baiacus: são venenosos e podem causar danos à Ecco, então nem pense em comê-los! Porém, quando não estão inflados, podem ser destruídos com o ataque de investida do herói;
  • Águas marinhas: já viu alguma água marinha inofensiva? Bem, as encontradas em Ecco the Dolphin também não são das mais amistosas, e podem causar danos se tocadas. No entanto, podem ser facilmente destruídas se atacadas com a investida;
  • Cavalos marinhos: se deixados em paz, eles não representarão perigo para o nosso herói. O problema é que muitas vezes estes sacanas estarão bloqueando seu caminho, e você terá de tentar evitá-los ou abertamente cair pra cima dos bichos! Fique esperto, porque eles podem ser tremendos desafios;
  • Tubarões: os mais notáveis caçadores dos mares, tubarões nunca são boas notícias – especialmente por estas águas em 16 bits. Os tubarões mais encontrados podem ser derrotados com alguma cautela, mas em alguns casos, correr pode ser a melhor estratégia;
  • Polvo gigante: um dos mais impressionantes seres do jogo, o também chamado “Oito-Braços” não pode ser vencido e age como um guardião de áreas importantes. Ele atacará o golfinho se você for apressado, então ao aproximar-se dele tente ir na maciota – ele nem vai te notar!
  • Baleia Azul: a chamada Big Blue é o mamífero mais antigo dos mares, e portanto o mais sábio. Encontra-la passa a ser seu primeiro objetivo na jornada, e tal tarefa dará um belo trabalho… Mesmo ocupando um bocado de telas, a baleia e inofensiva e ajudará nosso amiguinho com tudo o que sabe sobre a misteriosa tromba d’água que roubou-lhe os amigos e familiares;
  • O Asterite: existente nas profundezas perdidas do oceano a bilhões de anos, este estranho ser ancestral poderá ser a única criatura capaz de realmente ajudar Ecco em sua missão. Mesmo sendo enorme e apresentando-se na incomum forma de um código de DNA, o Asterite não representa nenhum perigo… Pelo menos não no tempo presente!

Sempre vale tornar a lembrar a máxima de Ecco the Dolphin: você é um simples golfinho, e não um mercenário armado. Pense menos em como destruir certo perigo e muito mais em como superar os obstáculos de forma rápida e segura. Além do mais, haja coragem pra encarar tantos perigos quase sem meios de se defender!

Departamento técnico: os tons cerúleos de Ecco the Dolphin

Tecnicamente, o cartucho produzido pela Novotrade International e publicado pela Sega não faz feio. Começando pelos gráficos, que mostram um colorido vibrante e um nível de detalhamento de primeira principalmente nos cenários.

No entanto, por passar-se inteiramente no mar, seria mesmo difícil que os ambientes fossem muito variados, e Ecco the Dolphin sofre um bocado com este mal. Embora de forma geral as rochas, corais, moluscos e outros elementos que compõe o cenário sejam bem construídos, é latente que, após três ou quatro estágios, o jogador comece a notar certa monotonia no marrom/azul que predomina na paleta de cores.

Quando o assunto são os personagens, temos golfinhos com muitos quadros de animação – o que acrescenta muita naturalidade aos movimentos – e demais seres marinhos mais simples com aquele tratamento padrão (que também não deixa de ser bem acabado).

No som, podemos ter uma divisão de gostos: há quem veja aí um dos pontos mais altos do jogo, assim como quem prefira abaixar um pouquinho o volume. Isto porque os agudos de efeitos sonoros e canções que embalam as fases soam um pouco altos demais, o que pode tanto empolgar quanto irritar após algum tempo de exploração. A qualidade das músicas é muito boa, mas também não é um verdadeiro primor: certas composições parecem não combinar muito com o contexto do ambiente e da cena.

O importante é entendermos que, no conjunto da obra, os atributos técnicos de Ecco trabalham até em certa harmonia com o nível de desafio, ambientação da história e dose de ação proposta pela aventura. Unindo-se isto tudo a bons controles, simples (rápida curva de aprendizado) e bem responsivos, não temos absolutamente nada do que reclamar do resultado final – tampouco uma boa desculpa para não curtir o jogo sem nunca tê-lo experimentado.

Sabe aquele tipo de cartucho que só jogando pra saber se curte ou não? Pois é, muito prazer, Ecco the Dolphin!

Um épico aquático injustamente esquecido

Hoje em dia, basta perguntar pra alguém de vinte e poucos anos ou menos que é batata: quase todos responderão que jamais ouviram falar em Ecco the Dolphin. O que uns 15 anos atrás parecia realmente impossível de prever, uma vez que o jogo tornou-se um dos maiores sucessos de vendas da história do Mega Drive. A Sega o classificou como o número 24 dentre todos os cartuchos mais populares de seu sistema de 16 bits.

Após o jogo original ser lançado, as aventuras do golfinho tornaram-se franquia com mais três games distintos: Ecco II: The Tides of Time para o Sega CD (considerado por muitos como o melhor título da série), Ecco Jr. para o Mega Drive apresentando o rebento do protagonista como novo herói, e finalmente Ecco: Defender of the Future, que chegou ao Dreamcast e PlayStation 2, mas passou batido por muita gente. Um quarto game – Ecco: Guardians of the Universe (título bem espalhafatoso, diga-se de passagem), estava sendo desenvolvido também para o Dreamcast, porém acabou cancelado devido a descontinuação do último console da Sega.

Convenhamos que é bem injusto o destino que teve o carismático Ecco e sua história. Tivemos nesta franquia algo realmente especial – um jogo marcante protagonizado por um personagem que não podia proferir uma só palavra, sequer era um humanóide. Uma aventura somente com animais marinhos que imprimia personalidade, ainda que não houvesse um único humano na história toda. Até hoje isto mostra-se bem difícil de reproduzir.

Porém também é justo que nos perguntemos: teria um novo título de Ecco algum lugar no atual mercado dos videogames? Ainda que desejemos afirmar que sim, pois a arte sempre será bem vinda ao segmento, é de se pensar se não é para o bem maior da série que ela fique no status de retrogame. O jogo funcionou muito bem para sua época, e temos boas pistas de que na atualidade a proposta simplesmente não seria tão bem assimilada. Mas queremos saber também sua opinião – o que você acha sobre isto?

Seja lá como for, Ecco the Dolphin sem dúvida alguma merece receber a honra de um gameplay para relembrar ou ser finalmente conhecido e explorado. O jogo também ganha com louvores nosso selo e indicação de um dos melhores retrogames para mostrar aos pequeninos, permitindo que eles também tenham contato com este nosso tão querido mundo de lembranças e velharias.

Lembre-se do que foi dito neste texto: ao descobrir e entender a busca deste simpático golfinho, duvidamos que você não vá querer de qualquer jeito lhe dar um final feliz. Experimente!

Vídeo

Ecco the Dolphin (Mega Drive): Longplay – Fonte: World of Longplays

Dicas

Se finalizar a aventura de Ecco está difícil, mas você não quer abrir mão de salvar sua turma e conseguir aquele final feliz, é só arregaçar as mangas e preparar-se para trapacear como nunca com estas super-manhas:

Oxigênio Infinito

Para nunca mais precisar se preocupar com sua barrinha de oxigênio, basta ir até a opção Password no menu principal e entrar com o código SHARKFIN. Além de ar infinito, o sonar de Ecco agora também não terá mais limitações.

Invencibilidade

Entre com um código válido de Password para alguma das fases do jogo que você tenha anotado. Após apertar Start para prossegir, aguarde surgir a tela com o nome do estágio para o qual o código lhe enviou e então aperte e segure os botões Start e A até que o jogo comece. Se der tudo certo, assim que você “despausar” a partida, vai estar imune a qualquer perigo.

Super Debug Mode

O que você acha de acessar um menu especial com opções como seleção de fases, teste de som e outras coisinhas mais? Se lhe interessou, basta começar um jogo normalmente e, assim que estiver no controle de Ecco, faça-o se virar de um lado para o outro. O objetivo aqui é pausar a partida exatamente no momento em que o golfinho estiver olhando para você em meio à animação de troca de lado.

Assim que conseguir o quadro certo e com o jogo pausado, basta entrar com a sequencia direita, B, C, B, C, para baixo, C e finalmente para cima. Se tudo deu certo, você imediatamente acessará o referido menu e poderá explorar suas possibilidades numa boa!

Compartilhe com a galera:

FacebookTwitterGoogle+

Leia mais sobre: , , ,


Leia a Revista Jogo Véio

Revista Jogo Véio - Gratuita, pra ler no PC, no Tablet e no Smartphone

Junte-se ao Asilo