Magical Taruruuto-kun (Mega Drive)

por Lucas Rodrigues em 25 de junho de 2018

Sabe aquele jogo de capa colorida com nome japonês que um parente do dono da locadora trouxe do Japão e ninguém nem sabia ler o que estava escrito? Se você foi uma criança curiosa, com certeza já levou ele para casa e se divertiu demasiadamente com algum tipo de aventura única, como em DoReMi Fantasy ou Magical Pop’n. A parte ruim da história é que você cresceu, trocou de videogame e nunca mais viu aquele cartucho novamente. Hoje, apenas as lembranças daquele “joguinho legal japonês” residem em sua memória.

A parte boa da história é que a internet transformou o mundo em um lugar onde se acha de tudo. Magical Taruruuro-kun para o Mega Drive foi um dos jogos mais bonitos que muitos véios já jogaram em suas infâncias e nem se lembram mais. Confira um pouco sobre esta pérola do console de 16 bits da Sega.

A história de um perdedor

Magical Taruruto-kun é um mangá de 21 volumes publicados entre os anos de 1988 a 1992, escritos por Tatsuya Egawa. A história também ganhou um anime de 87 episódios e três filmes animados.

A trama gira em torno de um garoto de 11 anos chamado Edojou Honmaru. Ele é considerado um perdedor que não consegue fazer nada direito. Não possui amigos, não tem sorte com as garotas, é extremamente fraco. Acidentalmente, ele encontra o mago Taruruuto-kun, que o ajuda a enfrentar diversos problemas como o bullying, a ansiedade e até o medo de conversar com mulheres.

Embora seja uma série cômica voltada para o público infantil, possui dezenas de passagens onde a sexualidade é abordada – alguns episódios mais picantes com certeza seriam censurados no Brasil. Honmaru se transforma em mulher várias vezes bebendo uma espécie de refrigerante durante a história e apronta várias travessuras em sua escola.

Infelizmente, embora a série tenha sido um sucesso no Japão, é extremamente difícil achar qualquer tipo de conteúdo sobre Magical Taruruuto-kun traduzido para o português ou até mesmo em inglês.

O jogo

Magical Taruruuto-kun foi parar em vários consoles legados, como o Super Nintendo, Mega Drive, Game Gear e Game Boy. Os responsáveis por trazer este emblemático jogo aos consoles da Sega foi a Game Freak, desenvolvedora do Pokémon. É importante lembrar que todos as versões são totalmente diferentes entre si. Nenhum dos jogos lançados para os quatro consoles citados possui quaisquer semelhanças com os outros.

No Mega Drive, este jogo é um platformer onde o jogador controla Taruruuto-kun. O enredo é extremamente simples e não foge do que esperamos de um clássico jogo do gênero: o protagonista deve passar por alguns cenários diferentes eliminando monstros e salvando seus amigos. Taruruuto possui uma varinha mágica que pode ser utilizada para atingir os monstros ou para dar vida a certos objetos, que podem ser arremessados contra os inimigos (isso facilita muito a vida do jogador em algumas ocasiões).

Pros x Contras

O cenário é extremamente colorido, com gráficos belíssimos, sprites grandes e animações fluidas, como pouco se vê em jogos de 16 bits.

Com um controle de apenas 3 botões, os comandos são extremamente simples e responsivos: pular, bater e usar mágica – tudo o que um bom jogo de plataforma precisa! Um segundo toque no botão de pular dá ao jogador a habilidade de planar, como Knuckles. Administrando bem a velocidade do voo, é possível aproveitar o momento do personagem e correr ao tocar o chão. Parece complicado, mas é simples o suficiente para qualquer criança jogar.

O jogo possui quatro (longas) fases e dificuldade moderada, sem muitos desafios. É possível completar todos os estágios em menos de uma hora na frente da TV.

A parte negativa vem com uma pequena falta de controle sobre o personagem no ar. Ao pular, é extremamente difícil mudar sua trajetória (quem já jogou Castlevania III: Dracula’s Curse sabe muito bem disso). Isso também implica em uma pequena dificuldade em lidar com Taruruuto-kun em alta velocidade e não incentiva tanto a exploração do cenário, já que o jogador pode ficar com medo de errar aquele pulo ao voltar daquela plataforma um pouquinho mais longe.

A música é bem animada e divertida, mas pode se ficar enjoativa e repetitiva com o tempo. Como o game é curto, pode ser que o jogador nem se incomode com isso.

Veredito

Gosta de jogos raros e divertidos? É fã de jogos de plataforma? Esse aqui foi feito para você!

Um cartucho de Magical Taruruuto-kun para o Mega Drive é difícil de achar, mas não é considerado tão raro assim. Pode ser que você consiga encontrá-lo por um bom preço em uma loja virtual. Enquanto escrevia este artigo, não vi nenhum à venda, mas encontrei Magical Taruruuto-kun de Super Famicom completo por apenas 5 dólares.

Caso tenha curiosidade, jogue também as versões de Game Gear e Game Boy. Não são tão boas quanto a de Mega Drive, mas vale a pena conhecer jogos novos!

Vídeo

Magical Taruruuto-kun (Mega Drive) – Gameplay (Fonte: World of Longplays)

Leia também:  Earthworm Jim 2 (Multi), o surrealismo infantil em forma de jogo

Qual é o seu “joguinho legal japonês”?

Possui algum jogo que se encaixa com a descrição do primeiro parágrafo? Deixe o nome dele nos comentários para a gente jogar e analisar por aqui. Se você também não sabe o nome, descreva-o que podemos ajudá-lo a descobrir qual é o jogo que marcou sua infância.

 


Leia mais sobre: , , ,