Mega Man X (SNES) marca um recomeço para o simpático robô azul da Capcom

Daniel Nunes / 1 de junho de 2017 / Análises, SNES

O que faz a série Mega Man ser tão especial? Em primeiro lugar, um cenário num futuro mais ou menos próximo, em que robôs fazem parte da convivência dos seres humanos, e são os personagens principais. Em segundo lugar, um protagonista que aparenta uma dupla condição: parece perfeitamente um humano, age e pensa como um humano, mas na verdade é um robô, uma máquina fabricada por mãos humanas.

Depois, temos um desafio que geralmente consiste em lutar com rivais um tanto parecidos com o protagonista, e que estão em pé de igualdade com ele em termos de habilidades e poder de fogo. Após a luta com cada um desses rivais, o herói é recompensado com um prêmio, que consiste em adquirir alguma das habilidades do inimigo vencido.

Essas lutas, por sua vez, representam uma espécie de preparação e treino para um desafio maior, no qual o protagonista terá de usar toda experiência e habilidade adquirida para enfrentar um mal maior e mais bem equipado. Ao final de toda essa aventura, o chefe final se revela, e ele se revela tão mais poderoso do que todos os rivais anteriores, porque afinal ele comandava aqueles inimigos.

Quando vence esse último inimigo, o protagonista está mais habilidoso e forte como nunca, provando-se melhor do que todos, mas ele só foi capaz de chegar até aí porque passou uma série de etapas anteriores, subindo degrau por degrau na escalada rumo à vitória.

Foi com esses elementos que a série de games Mega Man veio ao mundo em fins de 1987, há quase 30 anos. Os primeiros games da franquia foram lançados inicialmente para o Nintendinho, e contavam a história das várias tentativas do Dr. Wily de criar seus robôs e usá-los para causar terrores e destruições, enquanto o Dr. Light tentava impedi-lo com a ajuda de sua própria criação, o Mega Man. Os games se passavam em algum ano indeterminado no início dos anos 2000, quando figuras como o Dr. Light e o Dr. Wily são capazes de usar suas invenções para resolver ou mesmo criar problemas, seja para o bem ou para o mal.

Os games em si tinham uma jogabilidade muito similar, sem nenhuma mudança radical ao longo da série, mas apenas alguns acréscimos pontuais que tornavam a aventura mais interessante. A série Mega Man consiste em games de plataforma, em que o jogador controla o personagem de mesmo nome, cujas ações principais são atirar com sua arma acoplada ao braço e pular, e que possui a habilidade de absorver poderes especiais dos chefes derrotados em cada fase. A arte visual criada pelo talentoso Keiji Inafune, bastante colorida e cartunesca, com claras inspirações nos mangás, também chamava bastante atenção, e constitui uma das identidades mais fortes e permanentes da série Mega Man.

Desenterrando um velho perigo

Mega Man X, lançado em 17 de dezembro de 1993 para o Super Nintendo, marca a transição para os 16-bits, e inaugura uma nova série de games spin-offs da franquia clássica. A história de Mega Man X se passa num futuro um pouco mais distante, cerca de cem anos após os eventos da série antiga. O robô Mega Man X, às vezes chamando apenas de X, não é o mesmo personagem dos games antigos. A equipe de produção apostou numa storyline mais madura e numa jogabilidade mais livre, que pega a estrutura básica da série e adiciona nela elementos melhor adaptados ao público que estava crescendo com a evolução dos consoles.

A história de Mega Man X se inicia após a nova descoberta do Dr. Cain, que encontra o antigo laboratório do Dr. Thomas Light durante as escavações num sítio arqueológico. Junto com os trabalhos e anotações do finado cientista, Dr Cain descobre uma das mais geniais criações do Dr. Light, o robô conhecido como X, capaz de pensar por si próprio e tomar suas próprias decisões. A partir dos trabalhos deixados no laboratório, Dr. Cain se torna capaz de reproduzir uma nova geração de robôs com a mesma capacidade de exercerem o livre-arbítrio, os chamados “Reploids”. Mas alguns Reploids começam a sair de controle, e se tornam “Mavericks” ao cometerem ações criminosas e causarem danos aos seres humanos. A situação se torna preocupante, e uma equipe de robôs, os Maverick Hunters, é designada para combater os Mavericks, e passa a ser comandada por Sigma, um dos melhores Reploids criados pelo Dr. Cain. Porém, Sigma começa a pensar que os humanos são inferiores e opressores dos robôs, e resolve comandar os Mavericks com o objetivo de destruir toda a humanidade. Enquanto os humanos agonizam, X decide ajudar ZERO, o novo líder dos Maverick Hunters, na luta contra essa terrível rebelião dos robôs.

Matando robôs meliantes

A jogabilidade de Mega Man X é bastante familiar para os que já conhecem a série por meio de outros títulos. Com a arma acoplada em seu braço, a X-buster, X é capaz de carregar e disparar um tiro mais forte, bastante útil em diversas batalhas contra inimigos. Como novidade, X pode deslizar na parede e usá-la como apoio para o pulo. Isso certamente é essencial para escalar edifícios mais altos e usar plataformas para evitar quedas no abismo. Nas lutas contra os chefes, a habilidade de usar a parede para pular também ajuda nas esquivas e defesas, tornando as batalhas muitos mais ligeiras e estratégicas.

Após a primeira fase do game, na qual X é apresentado a um dos antagonistas e também ao personagem Zero, o jogador, como nos games da série antiga, pode escolher em qual ordem ele irá percorrer as próximas fases. Ao final de cada fase, o desafio é vencer a difícil disputa contra o chefe, cujas características e ações imitam o cenário da fase. Ao vencer o chefe, X ganha como nova arma uma das habilidades do inimigo vencido, e pode usá-la dentro dos limites de uma barra de munição. Cada chefe é mais vulnerável a alguma das armas adquiridas de outros, e portanto, apesar de o jogador poder escolher em qual ordem cumprir as missões, era conveniente descobrir uma ordem na qual cada nova arma adquirida pudesse ser mais fatal contra o chefe da fase seguinte.

Os oito bosses

Veja abaixo os oito chefões de Mega Man X e a arma que você recebe de cada um. A ordem é a ideal para derrotá-los sem sofrimento!

Chill Penguin (Shotgun Ice)

Spark Mandrill (Electric Spark)

Armored Armadillo (Rolling Shield)

Launch Octopus (Homing Torpedo)

Boomer Kuwanger (Boomerang Cutter)

Sting Chameleon (Chameleon Sting)

Storm Eagle (Storm Tornado)

Flame Mammoth (Fire Wave)

Evoluindo, sempre

Em Mega Man X, ao longo das fases, e na maioria das vezes em lugares escondidos, podem ser encontradas cápsulas que contêm mensagens holográficas do Dr. Light, e que concedem à X upgrades para cada uma das partes de sua armadura. O upgrade para as pernas, o mais fácil de ser encontrado, concede à X a habilidade de realizar um movimento de impulso. O upgrade para o peito permite que X sofra menos dano com os ataques. Há também um capacete, com o qual X pode quebrar alguns tipos de blocos. E por último, há um upgrade para a X-buster, que permite a X carregar um tiro bem mais potente e destruidor. Além desses upgrades para a armadura, também são escondidos em algumas fases os Heart Containers, que incrementam um pouco a barra de energia de X, e os Energy Tanks, que permitem estocar energia para ser usada em ocasiões de grande aperto.

A trilha sonora é um dos destaques absolutamente positivos do game, e foi composta por uma equipe dedicada de artistas. As melodias memoráveis e pegajosas introduzem o jogador perfeitamente ao clima de ação, com arranjos que imitam arpejos de guitarra, dando um estilo rock para algumas das músicas. As harmonias e percussões refletem o ambiente da fase tematizada, enquanto em outras momentos as músicas se adaptam a situações específicas, como a música da batalha com os chefes, mais tensa e pesada, e a música da cápsula do Dr. Light, mais lenta e enigmática.

Após vencer os oito chefes em suas respectivas fases, a fortaleza de Sigma é revelada, mas é a partir daí que o jogo começa a se complicar de verdade. Uma sequência de mais três fases culminam em batalhas épicas contra robôs engenhosos, que testarão a destreza do jogador até o limite. Ao final, a batalha contra Sigma, ela própria dividida em três etapas, é um caso à parte em termos de desafio e teste de nervos. Mega Man X se mostra um representante fiel do alto nível de dificuldade que a série forjou ao longo de seus inícios no NES.

Ruínas de uma história a ser continuada

A produção de Mega Man X de fato é mais sóbria e madura em relação aos games da série clássica, e aposta sua ambientação num futuro que, apesar das maravilhas tecnológicas, também reserva um lado mais escuro da existência. Sobretudo, faltam informações sobre o que aconteceu com o modelo antigo de Mega Man, por que o laboratório do Dr. Thomas Light foi destruído, e como ele morreu. Daquele passado remoto restam alguns poucos pedaços de história, e é a partir desse vazio que o enredo de Mega Man X é desenvolvido. As cápsulas com mensagens e upgrades são um dos únicos resquícios que sobraram do Dr. Light, dando para o game um ar estranho de algo que vem de um outro tempo e que guarda uma aura de mistério, e não deixa de ser interessante como esse elemento é integrado perfeitamente ao design de Mega Man X.

O game lançado para SNES em 1993 representa um ótimo início para a série spin-off de Mega Man, e dá o tom do que seriam os jogos seguintes. O acabamento impecável de Mega Man X, em cada um de seus vários elementos visuais, sonoros e de game design em geral, fazem do game um dos principais lançamentos da Capcom na era dos consoles 16-bits. Mega Man X reflete o carinho com que foi criado, e que serve de exemplo de uma época da história dos games em que, mesmo com recursos mais limitados, a qualidade e criatividade pareciam ser mais abundantes entre os desenvolvedores.

Vídeo

Mega Man X – Longplay – Fonte: World of Longplays

Dicas

Passwords

8441 2176 4423 – Todos os Sub-Tanks e Upgrades disponíveis, com todos os chefes derrotados.

8447 4666 6156 – Todas as habilidades, Heart Containers e mais a Zero Buster

Hadouken

Depois de obter todos os Heart Containers, Sub-Tanks, as armas dos chefes e os Upgrades, vá para a a fase de Armored Armadillo. Na parte final da descida com o carrinho de mineração, quando você for atirado longe, em vez de ir em direção à parede, pule e escale o muro até achar um item para recuperar seu HP. Pegue-o e se jogue da ponte (!). Repetindo esse procedimento cinco vezes, você vai encontrar uma cápsula do Dr. Light (devidamente vestido como Ryu), e aprenderá a técnica mortal do Hadouken!

Compartilhe com a galera:

FacebookTwitterGoogle+

Leia mais sobre: , , , ,


Leia a Revista Jogo Véio

Revista Jogo Véio - Gratuita, pra ler no PC, no Tablet e no Smartphone

Junte-se ao Asilo