Metal Warriors (SNES) – Robôs gigantes numa intensa guerra espacial

Daniel Nunes / 13 de março de 2017 / Análises, SNES

No ano de 2102, o Governo Unificado da Terra está sob o cerco de forças do Dark Axis. Liderados pelo maligno ditador Vankar Amon, as forças do Eixo travaram durante três anos uma sangrenta guerra contra a Terra. Agora, apenas alguns guerreiros restam na defesa da Terra contra essa ameaça. Equipados com avançados trajes robóticos armados para o combate, esses poucos guerreiros são conhecidos como os Metal Warriors.

Assim somos introduzidos ao universo dos rebeldes conhecidos como Metal Warriors. Cenário espacial, com estrelas ao fundo, enormes robôs voadores, naves interestelares e seus quartéis generais. O clima é de guerra espacial e, a partir dessa ambientação, algumas semelhanças com Star Wars começam a aparecer.

Enorme desafio pela frente:

O game foi lançado em fevereiro de 1995 para SNES, exclusivamente na América do Norte. Publicado pela Konami e desenvolvido pela LucasArts, Metal Warriors acompanhava o período de maturidade do console de 16 bits da Nintendo. Trata-se de um jogo de ação com elementos de plataforma, no qual o jogador controla enormes mechas, e tem que cumprir missões em fases repletas de inimigos e desafios. O jogo apresenta muitas semelhanças com outro game também da Konami, Cybernator, do qual é uma espécie de sucessor espiritual. O game apresenta uma dificuldade elevada, com hordas de inimigos atirando contra seu robô e forçando um combate direto, e não era fácil cumprir todas as missões até o fim com apenas cinco continues.

O jogador inicia com o mecha conhecido como Nitro. Trata-se de um robô de formato humanoide, cujas armas são uma metralhadora de plasma e uma espada-laser. O mecha também vem equipado com jetpacks, que permitem que o jogador voe após um pulo, elemento que adiciona uma dinâmica interessante à jogabilidade. É possível também acionar uma defesa para bloquear ataques que venham de uma determinada direção. O contador de energia se reflete na própria aparência do robô. Quanto mais dano ele vai recebendo, mais sua aparência vai se degradando, como se tivesse perdendo pedaços e se enferrujando. Outros mechas podem ser encontrados ao longo das fases, e cada um deles apresenta habilidades diferentes e utilidades diversas e adequadas para diferentes contextos das missões.

Pilotando diferentes robôs:

Em Metal Warriors, o piloto possui a capacidade de sair de seu mecha durante a partida. Quando o piloto sai de seu mecha, podemos notar seu pequeno tamanho em relação ao robô que ele pilota. Essa capacidade especial destaca o game dos outros do mesmo gênero, pois adiciona elementos de jogabilidade que o tornam único. Fora do mecha, o piloto fica vulnerável, e vem equipado apenas com uma pistola e um jetpack. Nessa condição, ele não pode destruir inimigos maiores, somente outros humanos igualmente indefesos. Porém, em alguns trechos de algumas missões, torna-se necessário sair do mecha, seja para acionar manualmente alguns interruptores, seja para alcançar alguns lugares menores, tubulações e corredores, que o mecha não pode alcançar.

Além disso, às vezes é necessário abandonar o mecha anterior ao encontrar um novo ao longo das missões. Mechas diferentes possuem habilidades diferentes. Além do já comentado Nitro, podemos encontrar outros tipos de robôs. Havoc é outro robô em formato humanoide, com ataques mais agressivos e intensos, e que pode correr pelo cenário com grande velocidade. Prometheus é o mais lerdo dos mechas, mas possui enorme poder de fogo, com seus mísseis que explodem em fragmentos e seu lança-chamas com grande poder de destruição. Para compensar o fato de não poder pular, ele pode criar pequenos blocos na altura do solo, que em conjunto funcionam como uma ponte entre plataformas. Spider tem a habilidade de andar pelas paredes, e pode soltar uma teia que torna os inimigos incapazes de se mover. Ballistic se parece com a Morph Ball da série Metroid, e tem a habilidade de dar um poderoso golpe no formato de bola, além de poder concentrar energia num poderoso tiro. Drache é um veículo voador que se move com bastante agilidade, apesar de ser um tanto frágil e limitado em seu poder de fogo. Possui a habilidade de aterrissar nos inimigos num ataque que pode resultar num dano destruidor.

Guerra nas estrelas com robôs:

Antes de cada uma das missões, podemos assistir algumas cutscenes de razoável qualidade, que ajudam a narrar o progresso da guerra contra o Dark Axis e introduzem o objetivo da missão. A maioria dessas cutscenes se passam no headquarter espacial dos rebeldes, e nelas podemos notar algumas semelhanças com o universo fictício de Star Wars. As missões se passam em cenários de pequena variedade, que vão desde bases espaciais e subterrâneas até cidades, selvas e uma fase no Alaska. Os objetivos de cada missão variam a cada caso, mas a jogabilidade consiste basicamente em avançar por corredores de bases inimigas enfrentando exércitos de robôs adversários, esforçando-se ao máximo para não ser destruído e ter de retornar ao início da fase. A trilha sonora apresenta muito pouca variedade, mas ajuda a ambientar as fases com músicas eletrônicas de ritmo tenso e agitado.

Uma das grandes aspectos do game é o modo Head to Head, para dois jogadores se enfrentaram num campo de batalha. Nesse modo, cada jogador pode escolher um dos seis mechas presentes no game, para que lutem entre si em cenários semelhantes aos encontrados no modo para um jogador. No modo Head to Head, podemos experimentar as habilidades específicas de cada um dos robôs, além de poder notar com mais cuidado quais são as virtudes e qualidades de cada um. O modo Head to Head é bastante divertido, e certamente é capaz de adicionar muitas horas de jogo para além do modo campanha para um jogador.

Guerreiros de Metal:

Metal Warriors é um game de qualidade razoável, que apresenta um desafio justo e uma jogabilidade fluida, transmitindo a sensação de estar no comando de grandes máquinas de guerra num universo de ação frenética e intensa. Sem dúvida marcou nostalgicamente a lembrança de quem o jogou na época, e merece ser rejogado pelos amantes de uma boa ficção espacial, com direito a grandes robôs e uma progressão que remete aos bons jogos de ação da era 16 bits.

Compartilhe com a galera:

FacebookTwitterGoogle+

Leia mais sobre: , , ,


Leia a Revista Jogo Véio

Revista Jogo Véio - Gratuita, pra ler no PC, no Tablet e no Smartphone

Junte-se ao Asilo