Perfect Dark (Nintendo 64) – Ficção científica com ação na medida certa

Sora / 23 de maio de 2017 / Análises, Nintendo 64

Olá pessoal, tudo bem? Aqui é a Sora, e hoje vamos relembrar um grande título do Nintendo 64 desenvolvido pela Rare: Perfect Dark. Este é um jogo que mesmo tendo sido lançado bem no finalzinho do legado do console da Nintendo, ainda assim fez muito sucesso e com certeza marcou a infância e adolescência de muitos com as suas partidas multiplayer.

Lançado incialmente no dia 22 de maio de 2000, Perfect Dark é considerado por muitos uma espécie de sucessor espiritual de GoldenEye 007. Isso ocorre em parte porque a Rare lançou Perfect Dark logo depois de GoldenEye 007 e muitos elementos do gameplay são bastante semelhantes. Porém é um erro dizer que ele é uma mera cópia de GoldenEye. Além de ter uma personalidade própria, o jogo apresenta várias melhorias em relação ao seu antecessor como texturas melhores, funções secundárias nas armas e novos modos.

Tecnicamente, Perfect Dark é um dos jogos com tecnologia mais avançada lançados para o Nintendo 64. Ele oferecia opções de gráficos em alta resolução, suporte a widescreen e som Dolby Surround, coisa que não era tão comum na época.

Perfect Dark

O modo single player conta com 17 missões principais no qual o jogador assume o papel da habilidosa agente Joanna Dark. Além do single player, o jogo também tem um modo multiplayer muito divertido com várias opções de customização. Com certeza Perfect Dark era uma das principais escolhas do pessoal naquelas partidas contra do fim de semana, cada um trazendo o seu controle de casa pra massacrar os amiguinhos.

Sci-fi de qualidade

O roteiro do jogo é outro elemento que merece destaque. Perfect Dark se passa no ano de 2023, a galáxia está sendo palco de uma guerra entre duas raças alienígenas: os Maians, típicos alienígenas estilo Grey, e os Skedar, seres reptilianos que utilizam disfarces holográficos para ficar parecidos com humanos Escandinavos. Com o seu disfarce, os Skedar conseguem se infiltrar facilmente entre os humanos.

Ao mesmo tempo, duas facções estão se enfrentando na Terra: o Instituto Carrington, um centro de pesquisa e desenvolvimento fundado por Daniel Carrington que tem um grupo de espionagem secreto, contra a dataDyne, uma corporação contratada pelo governo para providenciar material bélico liderada por Cassandra De Vries. Cassandra mantém um acordo secreto com os Skedar.

O acordo estabelece que a dataDyne irá criar uma inteligência artificial capaz de quebrar os códigos de uma nave alienígena afundada no oceano enquanto os Skedar fornecem tecnologias alienígenas para que a empresa possa se tornar a maior do mundo.

O jogador controla a agente do Instituto Carrington Joanna Dark, que graças ao seu excelente desempenho em treinamento recebeu o codinome “Perfect Dark”. Joanna é enviada para buscar a cientista Dr. Caroll no edifício da dataDyne, mas quando chega lá ela descobre que Caroll é na verdade uma inteligência artificial que decidiu se desligar da dataDyne ao descobrir que a empresa não ligava para questões de ética e moral.

No fim da operação, Carrington é pego pelos soldados da dataDyne que o obrigam a contar onde Dr. Caroll está escondida. Joanna consegue resgatar Carrington, que informa a ela que Dr. Caroll foi levada para Corporação G5 em Chicago.

Ao chegar em Chicago, Joanna descobre que a dataDyne e seus conspiradores pretendem sequestrar o Presidente dos Estados Unidos para conseguir acesso à embarcação de pesquisa no fundo do oceano Pelagic II. Apesar do Presidente estar em perigo, Carrington decide enviar Joanna para resgatar os sobreviventes de uma nave Maian foi abatida próxima à Área 51.

Lá ela resgata o extraterrestre Elvis que acaba sendo um grande aliado na luta contra a conspiração.

A história de Perfect Dark é digna de um roteiro de ficção científica com personagens interessantes e tiradas de humor na medida certa. Com certeza você irá se divertir muito acompanhando a saga de Joanna Dark ao lado do ET Elvis.

De acordo com Martin Hollis, o diretor do jogo, foram usados como inspiração grandes títulos de ficção científica como Blade Runner, Arquivo X e até mesmo o anime Ghost in the Shell. Outra grande influência foi o autor Philip K. Dick, considerado atualmente um revolucionário no gênero.

Joanna Dark ou Perfect Dark

Não podemos deixar de falar sobre a protagonista do jogo, Joanna Dark. Joanna vem de um tempo em que ainda não havia tantas protagonistas femininas no gênero ficção científica. Quando se falava em mulheres no gênero, provavelmente a primeira que vinha na mente da maioria das pessoas era Samus Aran. Até mesmo hoje em dia a protagonista de Metriod seja a principal representante do gênero.

Hollis acreditava que deveria haver mais jogos focados em protagonistas femininas, então ficou decidido que Perfect Dark seria protagonizado por uma mulher. Joanna Dark foi inspirada em diversas personagens icônicas como a sedutora Agente X-27 do filme Desonrada de 1931, Nikita que protagoniza um filme com o seu próprio nome e a agente Danna Scully de Arquivo-X.

O nome Joanna Dark veio da pronúncia francesa do nome de Joana d’Arc que é “Jeanne d’Arc”. Lembrando que em inglês Joana d’Arc é chamada de Joan of Arc.

A Nintendo queria que Joanna Dark fosse dublada por uma atriz americana, porém as negociações acabaram não dando certo e ela foi dublada pela compositora Eveline Fischer, que é britânica.

As melhorias

O desenvolvimento de Perfect Dark levou três anos, por isso ele acabou saindo no fim do tempo de vida do Nintendo 64. A engine de GoldenEye 007 foi aprimorada com novos recursos e melhorias gráficas como iluminação dinâmica, suporte e widescreen e a opção de jogar com gráficos em alta resolução.

O áudio também teve melhorias como o suporte a Dolby Surround. As cutscenes são completamente dubladas, e é possível ouvir as conversas dos guardas próximos durante o gameplay.

Perfect Dark teve a adição de efeitos como sangue que espirra nas paredes e objetos quando os inimigos levam tiros, e uma simulação de “tontura” quando o jogador leva um soco ou fica sob efeito de tranquilizantes.

A inteligência artificial também foi melhorada fazendo com que os inimigos consigam detectar ameaças, se comunicar uns com os outros e trabalhar em equipe, aumentando assim o desafio.

Queijos escondidos

Em cada fase do jogo é possível encontrar pedaços de queijos em locais escondidos. Eles provavelmente foram colocados pela Rare com a intenção de premiar o jogador com cheats a cada pedaço encontrado, mas posteriormente foi decidido que os cheats seriam dados ao atingir determinados requisitos nas missões solo.

O queijo foi deixado no jogo por questão de nostalgia, mas eles nem podem ser coletados. Vale procurar mais pela curiosidade.

Vale a pena?

Perfect Dark foi um sucesso e vendeu mais de três milhões de cópias em todo o mundo. A crítica destacava o seu modo multiplayer customizável e fator replay. Seu único ponto fraco era a inconsistência do frame rate. O sucesso do jogo levou ao desenvolvimento da série Perfect Dark que inclui a prequel lançada em 2005, Perfect Dark Zero, e outros tipos de mídias como livros e histórias em quadrinhos.

Um remaster HD de mesmo nome com gráficos melhorados e multiplayer online foi lançado exclusivamente na Xbox Live Arcade do Xbox 360 em 2010.

Se vale a pena jogar Perfect Dark ou não? Se você gosta de ficção científica, ação e espionagem, com certeza vale a pena conhecer este jogo. Além de se divertir com a história e os personagens, você ainda terá a oportunidade de conhecer o poder que tinha o Nintendo 64.

Detonado

Compartilhe com a galera:

FacebookTwitterGoogle+

Leia mais sobre: , ,


Leia a Revista Jogo Véio

Revista Jogo Véio - Gratuita, pra ler no PC, no Tablet e no Smartphone

Junte-se ao Asilo