Home Colunas Revistas: Old News Surge a revista GamePower

Surge a revista GamePower

0

Abrimos o baú de relíquias do Véio para relembrar a chegada às bancas da revista GamePower #01, publicação nacional especializada no universo da Nintendo que marcou época até se fundir à revista SupeGame e dar origem a lendária Super GamePower. Vamos relembrar?

Momento de transição

Em 1992, o mercado de jogos eletrônicos vivia um momento de transição entre as gerações 8-bit e 16-bit. Embora Mega Drive e Super Nintendo já fossem os queridinhos da galera, ainda era bastante comum encontrar Master System e Nintendinho nas locadoras e nas casas dos jogadores.

Esse período, aliás, também marcava o crescimento exponencial da rivalidade entre Nintendo e Sega. A essa altura, as duas gigantes dos videogames disputavam a preferência dos gamers em três frentes: 8-bit (NES x Master System), Portátil (Game Boy x Game Gear) e 16-bit (SNES x Mega Drive).

Com todo esse fervor no mundo dos games, os jogadores buscavam cada vez mais informações sobre seus consoles e jogos favoritos. E, para atender essa demanda, pelo menos dos fãs da Nintendo, chegava às bancas brasileiras, em julho de 1992, a primeira edição da revista GamePower, uma das publicações sobre videogames mais queridas do Brasil.

É GamePower ou nada

Outras revistas de videogame já faziam a alegria dos jogadores nos primeiros anos da década de 1990. Videogame e Ação Games, por exemplo, já eram responsáveis por movimentar as bancas de todo o Brasil com dicas, notícias, detonados e análises dos principais jogos. Contudo, as duas gigantes do mercado editorial receberiam uma nova concorrente.

Publicada pela Editora Nova Cultural – custando Cr$ 7.900,00 –, a primeira edição da revista GamePower foi lançada para noticiar tudo sobre o universo da Nintendo nos videogames, enquanto a revista SuperGame (também da Nova Cultural) traria as novidades sobre a Sega e seus games.

O foco na Nintendo era uma opção editorial, como bem diz a Carta do Editor, na página nº 4: “Chegou a GamePower, a única revista do Brasil especializada no sistema Nintendo de videogames”. A proposta era ousada, mas o periódico estava disposto a fazer história. “De hoje em diante, falou Nintendo, falou GAMEPOWER.”

Time dos sonhos

Com a difícil missão de disputar espaço com outras gigantes do mercado editorial, a GamePower apostou em algumas novidades, como o time de redatores fictícios que assinava as matérias da revista. Esse ponto, aliás, foi um dos responsáveis por criar uma identidade para a publicação logo nas suas primeiras edições.

Formado por personagens carismáticos e facilmente identificáveis, o time de “Críticos da GamePower” era formado por:

 

Baby Betinho: O careca bombadão carinhosamente apelidado de Baby. era o responsável por analisar os principais jogos de luta, de esporte e de tiro.

Marcelo Kamikaze: O japoneses nerd era o mestre dos RPGs e o responsável por trazer as notícias do outro lado do mundo.

Lord Matias: O carioca descolado era o especialista em música da turma, mas também dominava qualquer jogo.

Marjorie Bros: A musa da galera era a fã dos jogos do Mario e uma das críticas da maioria dos principais jogos da Nintendo. Para completar, como dizia no editorial, “Marjorie é natural de Porto Alegre, tem 26 anos e, embora não seja da nossa conta, está solteira no momento”.

Grande estreia

A revista GamePower não poderia ter surgido em melhor momento. Em sua edição de estreia, a publicação trazia Street Fighter II, sucesso dos fliperamas que acabava de ser lançado para o Super Nintendo.

Assim como os jogadores da época, a revista não mediu palavras para recepcionar o game. No subtítulo da matéria estava escrito: “Saiu nos EUA e no Japão o melhor jogo de luta da história.”

A euforia com o lançamento de Street Fighter II estava por cada canto do primeiro grande texto da publicação. “O lançamento mais esperado de toda a história do videogame já chegou às locadoras brasileiras. Street Fighter II provocou filas imensas no Japão, disputas entre jornalistas americanos e verdadeiros leilões nas importadoras do país

A revista fez questão de exaltar a fidelidade do jogo em relação a versão dos arcades – que também recebeu uma matéria especial nessa edição –, com exceção dos cenários, que sofreram pequenas adaptações. Além disso,algumas páginas foram dedicadas a história dos personagens do jogo e dicas.

E por falar em dicas, o pessoal da revista caprichou. Tinha desde um código para jogar com dois personagens iguais, até macetes para enfrentar cada personagem, lista de golpes e apelações para você deixar o adversário maluco.

Bônus Stage

Além de trazer uma “linda” imagem do Blanka na capa, a revista também aproveitou para presentear os seus leitores com alguns brindes. O primeiro deles era um pôster enorme com a arte oficial do cartucho de Street Fighter II do Super Nintendo.

O segundo era uma promoção que dava três SNES, dois NES, cartuchos, bonés e camisetas. Para ganhar um dos prêmios, era só enviar uma frase que definisse, de maneira criativa, a revista GamePower. Ruim era só ter que recortar a revista para mandar o cupom.

Retratando o momento de transição entre plataformas que a Nintendo passava naquele momento, o restante da revista alternou entre lançamentos de Super Nintendo, Nintendinho e GameBoy.

Do lado dos 16-bit, tinha: Super Soccer, Rocketeer, Krusty’s Super Fun House, Top Gear e Contra III. Do lado dos 8-bit, foram citados: Flying Warriors, Where in Time is Carmen Sandiego?, Super Spy Hunter, Vice, Race America. E sobre o GameBoy, a publicação ainda deu espaço para Joe & Mac, Monopoly, Adventure Island e dicas para muitos outros títulos.

Eterna rivalidade

Nem só de prévias, análises, dicas e códigos era feita a GamePower #01. Uma das melhores matérias dessa edição de estréia era um especial escrito por Marcelo Kamikaze, chamada “Os caminhos surpreendentes da briga entre Nintendo e Sega”.

Cheia de detalhes, a matéria trazia uma análise interessante do momento de disputa entre as duas gigantes do entretenimento eletrônico. Segundo a edição, “a disputa entre a Nintendo e a Sega vai continuar acirrada por algum tempo, até 1993 no mínimo. A briga passa por preço, software, títulos e hardware e parece mais dura a cada mês. Quem lucra com isso, felizmente, é o consumidor”.

Ah, e teve até previsão sobre o mercado nacional. “A Nintendo do Japaão está negociando com a Gradiente e a Estrela a comercialização dos seus produtos no Brasil. Numa primeira etapa os produtos serão importados. A briga com a Tec Toy, que produz os jogos e consoles da Sega no país, deverá ser das boas”.

Surge uma lenda

Com os carisma de seus personagens, ótimas matérias, diagramação no capricho e um aparente carinho na produção dessa histórica primeira edição, a revista GamePower chegou para fazer história nas bancas brasileiras.

Foram 25 edições incríveis sobre os jogos e consoles da Nintendo até ela se fundir com a SuperGame, dando origem a lendária Super GamePower, uma das publicações mais lembradas pelos jogadores da época. Contudo, tudo começou com essa edição de julho de 1992. Bons tempos…

Mais textos relacionados
Leia mais por Ítalo Chianca
Leia mais em Revistas: Old News

Veja também

O lançamento da lendária revista SuperGamePower

Abrimos o baú de relíquias do Véio para relembrar a edição de estréia da revista SuperGame…