Sonic the Hedgehog (Mega Drive) – Blast Processing e a concorrência comendo poeira!

Fabio Zonatto / 12 de abril de 2017 / Análises, Mega Drive

Tanto já aconteceu no mundo dos videogames, e mesmo assim alguns ícones como o clássico Sonic jamais são esquecidos.

Goste ou não dos jogos mais atuais do ouriço super-sônico, não dá pra negar que a Sega não veio fazendo um trabalho espetacular com sua mais conhecida mascote. A empresa planeja mudar isto no vindouro Sonic Mania, porém os fãs mais nostálgicos ainda hoje recorrem aos títulos clássicos para reviver as grandes aventuras do personagem em seus primórdios.

E tudo começou neste jogo do qual hoje falaremos, Sonic the Hedgehog para o Mega Drive, lançado no distante ano de 1991. Com este título, a Sega emplacou uma grande campanha de rivalidade ao Super Nintendo nos Estados Unidos – o famoso/infame “Genesis does what Nintendon’t” (trocadilho em inglês que significava literalmente “O Mega Drive faz o que a Nintendo não faz”), e isso graças ao chamado Blast Processing, elemento que o cartucho afirmava ter e que possibilitava a grande velocidade apresentada no jogo.

Se este “Blast Processing” chegou mesmo a existir ou se foi somente o genial marketing da Sega a trabalhar, isso ainda hoje é motivo de discussão entre os fãs. O que importa de verdade é que, de fato, o ritmo frenético de Sonic era algo completamente novo para sua época, um game de pura adrenalina em combinação com o gênero aventura/plataforma.

Relembremos agora este pioneiro que marcou época, e que ainda mantém o nome Sega tão vívido em nossas memórias a despeito da situação desfavorável que hoje a empresa encontre-se em comparação aos dias dourados que viveu no passado.

Sonic versus Dr. Robotnik (Eggman é uma ova!)

A trama do jogo não poderia deixar de ser algo considerado “bobo e inocente”, porém não menos clássico para sua época: o mundo está em perigo, e cabe a um único herói a missão de salva-lo das garras do mal.

Em Sonic the Hedgehog, o posto de vilão é ocupado pelo icônico Dr. Ivo Robotnik, um cientista maligno que planeja dominar tudo com seu exército de robôs fiéis ao seu comando. Para conseguir tal exército, o lunático começa a converter os inocentes animais da floresta em máquinas assassinas, que também devem ajudar seu “mestre” a derrubar as florestas e destruir a natureza para que Robotnik possa construir suas próprias metrópoles futurísticas.

Somente um destes animais caçados pelo cientista tem a habilidade e coragem necessária para combatê-lo – e neste exato momento somos apresentados ao heroico ouriço (no Brasil chamado enganadamente de porco-espinho por um bom tempo) azul de tênis vermelhos super-sônicos.

Sonic é descrito como um personagem que reúne todas as principais características de um grande herói: é corajoso, aventureiro, possui um forte senso de justiça e de proteção aos indefesos. Contudo, em jogos posteriores, conheceríamos também outras características não tão positivas do ouriço azul, tal qual a super-confiança que possui em suas próprias habilidades.

Em sua primeira aventura, seu objetivo não poderia ser mais claro: derrotar as máquinas do Dr. Robotnik enquanto liberta seus amigos capturados e avança para o covil onde esconde-se o vilão. Muito depende do sucesso de Sonic, que não contará com muito além de sua super-velocidade para combater a ameaça metálica construída pelo cientista déspota.

Ah, e se durante este árduo caminho nosso herói conseguir alcançar todas as lendárias Esmeraldas do Caos que estão escondidas pelo mundo, tanto quanto melhor!

Pulando, girando e correndo

No setor da jogabilidade, temos simplicidade e precisão – e não necessitamos de nada além disso para que a diversão seja completa. Sonic the Hedgehog não se torna desnecessariamente complicado nos comandos justamente para focar a atenção do jogador à aventura e exploração.

Por aqui, podemos simplesmente correr e pular, com este salto também funcionando como arma contra os inimigos. Caso o personagem em sua forma esférica atinja um inimigo em um ponto em que ele esteja desprotegido, sua armadura robótica é destruída e o animal cativo foge em liberdade.

Mas a principal característica de Sonic mostra-se quando mantemos o direcional pressionado para um dos lados continuamente – quanto mais tempo o ouriço passar correndo, mais sua velocidade aumenta e o permite cruzar loopings ao estilo montanha-russa e até subir rampas tão íngremes quanto paredes!

Embora a velocidade seja o foco do personagem, atravessar-se uma área muito rapidamente pode significar deixar para trás algumas boas vidas e continues extras. E com a dificuldade crescente vista neste cartucho, isso não é lá uma atitude das mais sábias.

A exploração neste jogo é algo verdadeiramente recompensador: por toda a parte podem ser encontradas áreas secretas como túneis e salas. Estes locais ocultos sempre guardam boas surpresas, e suas entradas e acessos geralmente estão camuflados. O negócio é saltar bastante contra paredões suspeitos e, vez ou outra, acreditar na sorte e dar aquele “salto da fé” no abismo… O espírito aventureiro pode compensar!

Lembre-se também de que a configuração de tais áreas secretas jamais muda de jogo para jogo – uma das vantagens dos retrogames. Uma vez conhecida a localização e entrada destas áreas, não é difícil pegar a manha de visitá-las em gameplays futuros.

Destruindo televisores na busca pelo poder

Como um bom jogo de aventura/plataforma, Sonic the Hedgehog conta com uma boa quantidade de power-ups que irão ajudar o jogador a obter vantagens muito bem-vindas durante suas explorações. Neste game, isto significa somente uma coisa: hora de estourar alguns monitores!

Mas calma, também não é exatamente como no GIF mais acima! Isto porque no mundo fantástico da ilha flutuante onde o jogo acontece, poderes especiais estão escondidos dentro de monitores espalhados pelos estágios. O porquê destes invólucros mágicos serem pequenas TVs com má recepção de sinal? Bem, há mistérios para os quais talvez nunca tenhamos resposta…

Ao encontrar um monitor, basta saltar sobre ele ou destruí-lo com o giro super-sônico para receber seu conteúdo. Fique de olho nas possíveis recompensas de cada um:

  • Argola dourada: credita 10 argolas extras ao seu contador de uma só vez;
  • Rostinho do Sonic: destruir um destes monitores concede uma vida extra;
  • Esfera de energia: cria uma bolha que envolve o personagem. Se atingido enquanto se está com a bolha o jogador a perde, porém não derruba as argolas que já coletou;
  • Tênis vermelho: garante super-velocidade ao ouriço, que temporariamente o permite correr ainda mais rápido e atravessar estágios em um piscar de olhos;
  • Estrelas: concede um campo mágico ao redor de Sonic que o deixa temporariamente invencível a qualquer perigo (mas não protege contra abismos e afogamentos).

Além dos monitores, o jogador também deve ficar de olho nos chamados postes de luz que encontrar pelo caminho. Quando acionados, eles funcionam como check-points que imediatamente salvam seu progresso na fase, o que significa que será do último poste visitado que Sonic recomeçará caso perca uma vida.

Desafiando Robotnik e suas tranqueiras mecânicas

Espalhadas por todas as fases, o jogador encontra dezenas de argolas douradas flutuantes que, como as moedas em Super Mario, devem ser coletadas para conceder a Sonic vidas extras, acesso à fase de bônus (da qual falaremos mais adiante) e ainda proteção contra a morte certa.

Neste ponto, é Importante lembrarmos de que não há barras de energia em Sonic the Hedgehog – a única maneira de sobreviver-se a um ataque inimigo ou alguma armadilha do estágio (excetuando-se os abismos e afogamentos – estes são morte instantânea) é se o ouriço azul possuir ao menos uma destas argolas.

Após atingido, Sonic imediatamente terá suas argolas zeradas. Porém é possível ao menos recuperar algumas rapidamente, uma vez que estas ainda saltitam pelas proximidades por alguns segundos. Resumindo: estes anéis dourados são sua apólice de seguro! Certifique-se sempre de possuir ao menos um antes de enfrentar os inimigos.

Ao menos neste primeiro game da franquia, cada zona é composta por três atos: dois comuns que devem ser explorados e um terceiro somente para o confronto com o chefão da fase. E por aqui, tal desafio é sempre representado pelo maligno Dr. Robotnik – só o que muda é a máquina que ele estará pilotando durante aquele confronto.

Diferente de outros games em que é só bater e bater no chefe até destruí-lo, por aqui o jogador deve ficar atento aos padrões de movimento e ataque do inimigo e decorá-los para então discernir os momentos certos de se fugir ou partir para a ofensiva. Os primeiros encontros com o vilão serão bem simples, porém conforme a aventura avança, as coisas naturalmente vão complicando-se mais e mais.

A mesma dificuldade crescente naturalmente também é aplicada à arquitetura dos estágios (cada vez mais repletos de armadilhas) e nos inimigos encontrados. E você verá a dura realidade deste fato ao chegar a uma certa área conhecida como “Labirynth Zone”… Prepare-se para momentos de aflição!

Caçando as lendárias Esmeraldas Caóticas

Quem é fã da franquia conhece muito bem as lendárias e multicoloridas Esmeraldas do Caos (ou “Chaos Emeralds” no original), tão importantes nos jogos antigos do Sonic. Pois bem, todo este mito nasceu neste primeiro cartucho – e já veremos como.

Explicando a história: espalhadas pela ilha flutuante estão 6 lendárias pedras que guardam um imenso poder. O Dr. Robotnik deseja reuni-las para empregar seus poderes em seus planos malignos, e cabe a Sonic ser mais rápido que o vilão e coletar todas as gemas primeiro. Mas tal tarefa não é nada fácil, uma vez que as Esmeraldas Caóticas estão escondidas dentro de fases de bônus especiais.

Em cada área, assim que o ouriço azul alcança a placa que indica o final do estágio (onde também pode receber recompensas dependendo da imagem obtida após gira-la), caso o jogador tenha 50 ou mais argolas em seu marcador, ele verá surgir um anel gigante que serve como um portal. Basta pular nele para acessar a fase de bônus.

Assim que este estágio especial se inicia, você logo percebe a mudança na jogabilidade: Sonic estará sempre girando em formato de esfera, e você precisa movimentá-lo como uma bola saltitante por um labirinto que gira constantemente. Por aqui, o jogador pode aproveitar para coletar o máximo de argolas douradas, vidas extras e continues que conseguir – mas o que importa mesmo é alcançar o centro do labirinto, onde sempre encontra-se uma Esmeralda do Caos.

Caso o jogador consiga superar os obstáculos e tocar a joia, o estágio acaba de imediato com a sua vitoria. No entanto, a festa acaba de forma triste caso Sonic toque em alguma esfera com a palavra “Exit”, o que causa o fracasso do objetivo.

Se até o final da aventura o jogador for capaz de reunir todas as 6 Esmeraldas do Caos, ele poderá então conferir o melhor final do jogo (não vamos estragar a surpresa). Caso não consiga a façanha, o final “não-tão-feliz” é mostrado, e Robotnik o desafia a tentar novamente. Se você jamais viu o verdadeiro final, então este é um desafio extra que vale a pena!

Departamento técnico – epicamente super-sônico!

Vimos que, na área dos comandos, Sonic the Hedgehog dá show ao apostar na simplicidade e precisão. Mas e nos demais aspectos técnicos, o cartucho faz bonito?

A resposta: “Bonito” nem começa a descrever! Nos gráficos, temos modelos de personagens trabalhados pixel a pixel, com movimentos, cores e vivacidade. Cada inimigo tem um jeito diferente e a variedade deles é bem grande, o que garante uma boa diversidade ao gameplay. Sonic não fica atrás e conta com muitos quadros de animação, o que torna a tarefa de controlá-lo divertida e cativante.

Já as áreas/zonas são literalmente um espetáculo à parte. Todas são riquíssimas em detalhes, apresentando ambientações bem variadas, cores que lhes dão características distintas e armadilhas sortidas. Nenhum estágio se parece com outro, então jogar cada zona é mesmo uma experiência diferente.

Comentar sobre a trilha sonora é até covardia, já que esta sem sombra de dúvida merece 100% o posto de importância que ocupa na história do Mega Drive.

As melodias são muito bem arranjadas, com aquele feeling de “aventura radical”. Diferente do que infelizmente vemos em Altered Beast, aqui não há repetição: cada zona tem sua canção específica, e nenhuma destas é pouco inspirada. Caso jamais tenha ouvido estas melodias, deixamos como dica as pertencentes às áreas Green Hill Zone e Star Light Zone. Com certeza inesquecíveis!

Portanto não há dúvidas: se você curte viajar nas clássicas trilhas de bons retrogames, as faixas de Sonic the Hedgehog são nada menos que obrigatórias em sua lista de reprodução.

Um clássico que jamais perderá o fôlego

Hoje, os jogos estrelando o bom e velho Sonic e sua turma são vistos pela nova geração como “mais do mesmo”, algo que não se destaca. Podemos entender a Sega em suas incansáveis tentativas de renovar as aventuras do ouriço azul, mas não dá mesmo pra negar que o personagem perdeu muito de sua relevância com o passar de mais de duas décadas de vida (será que isso vai mudar em Sonic Mania? Vale as nossas esperanças!).

Mas a clássica saga de Sonic nos 16 e 8 bits… Ah, estes tempos dourados não existe crise capaz de apagar. Cada um dos antigos jogos desta franquia tão importante na vida de tantos gamers vale sem dúvida alguma um replay, uma boa revisitada. E caso jamais tenha saltado e girado em alta velocidade com o querido Sonic (talvez nesta época você estivesse muito ocupado ajudando um certo encanador a resgatar a princesa do Reino dos Cogumelos), dê ao jogo uma chance!

Como já dito, Sonic the Hedgehog é uma aventura que possui um lugar eterno e muito especial no coração de muitos gamers da velha guarda. Que tal ver este sentimento ganhar vida nova nos corações dos seus filhos? Fica aqui a dica especial do Jogo Véio.

Vídeo

Sonic the Hedgehog (Mega Drive): Longplay – Fonte: World of Longplays

Dicas

Seleção de Fases

O nível de desafio visto em Sonic the Hedgehog realmente não é dos mais fáceis, então esta dica pode vir muito bem a calhar.

Na tela-título, pressione na sequência os comandos direcional para cima, para baixo, para esquerda e para a direita. Após ouvir um “Pling!”, segure o botão A e aperte START para chegar à tela de seleção de fases.

Vale lembrar que pular fases lhe tira chances de coletar as Esmeraldas do Caos, o que pode fazer com que esta manha impossibilite o final verdadeiro do jogo. Porém, tal problema também pode ter uma solução – confira a próxima dica!

Obtendo as Esmeraldas do Caos mais facilmente

Faça o truque da seleção de fases mostrado acima e, quando for escolher em qual estágio quer jogar, selecione a fase de bônus.

Agora jogue normalmente até conseguir pegar a Esmeralda do Caos daquele estágio. Assim que ele terminar, você deverá começar normalmente na primeira área da Green Hill Zone – e neste momento, você deve pressionar o botão RESET do seu Mega Drive.

Repita a manha da seleção de fases e mais uma vez escolha a fase de bônus. Se você conseguir completa-la novamente, então já terá duas esmeraldas! Basta apertar novamente o RESET assim que a Green Hill iniciar e voltar a repetir toda a operação até coletar todas as 6 Esmeraldas do Caos.

Pronto! Agora é só pular direto para a última fase, derrotar Robotnik e curtir o final verdadeiro da aventura.

Compartilhe com a galera:

FacebookTwitterGoogle+

Leia mais sobre: , , , ,


Leia a Revista Jogo Véio

Revista Jogo Véio - Gratuita, pra ler no PC, no Tablet e no Smartphone

Junte-se ao Asilo