Super Mario Kart (SNES) e o início das loucas corridas entre os heróis da Nintendo

Ítalo Chianca / 8 de julho de 2017 / Análises, SNES

Um dos principais spin-offs da Nintendo (senão o principal), a série Mario Kart tem se tornado cada vez relevante no universo dos videogames, sendo sucesso de público e crítica constante desde a sua origem no Super Nintendo. E é justamente o primeiro título dessa franquia tão amada que relembraremos hoje no Jogo Véio.

Em outros reinos

No começo da década de 1990, mesmo com menos de uma década no mercado de videogames, a Nintendo já possuía uma vasta biblioteca de franquias de sucesso. Mario, Donkey Kong, Zelda, Metroid, Kirby. Um profundo e adorado universo consolidado, pronto para ser explorado.

Com tantos personagens e reinos, não demorou muito para a Nintendo desenvolver jogos “diferentes” que faziam uso do universo de suas franquias de sucesso, principalmente do Mario e o reino do cogumelo. Dr. Mario e Mario Paint são dois exemplos dessas tentativas. Contudo, unir a turma quase toda em um jogo só, ainda não tinha acontecido. Não até o final de 1992.

Hora do show

Lançado em 27 de agosto de 1992 no Japão, e em 01 de setembro do mesmo ano nos Estados Unidos, Super Mario Kart reuniu os personagens e os cenários dos jogos do Mario em torno de um game de corrida maluco com karts, itens especiais e muita diversão.

A ideia de colocar a turma do Mario para correr em karts por volta do Reino dos Cogumelos, contudo, não esteve presente desde o início do projeto. Embora tenha sido pensado pelo lendário Shigeru Miyamoto, o game estava sendo criado com o intuito de produzir uma experiência de corrida nos moldes de F-Zero, mas com ênfase no multiplayer.

Os primeiros protótipos, por exemplo, mostravam um corredor genérico, de macacão, sem ser de encanador, claro, percorrendo cenários coloridos. Mas, segundo Miyamoto, parecia que faltava algo. E foi observando o modo como os personagens olhavam um para o outro após uma ultrapassagem, que o mestre resolveu experimentar como seria a reação se ao invés de pilotos genéricos, aqueles corredores fossem figuras queridas.

O resultado, obviamente, era de um ineditismo inigualável. Diversão, carisma, velocidade e apelo popular emanavam do jogo. E assim estava feito. Mario e o seus amigos dariam uma pausa em suas aventuras principais para resolver as desavenças pendentes nas pistas de Super Mario Kart.

Novo e familiar

Quando finalmente foi lançado, Super Mario Kart trazia, ao mesmo tempo, conceitos familiares e novidades instigantes. Tínhamos a velocidade e a perspectiva pseudo 3D de F-Zero, o visual e a ambientação de Super Mario World, e os divertidos modos de jogo.

Nele, o jogador pode escolher um entre os oito personagens disponíveis, (Mario, Luigi, Peach, Yoshi, Bowser, Donkey Kong Jr., Koopa Troopa e Toad), cada um com características próprias, e se divertir em um dos diferentes modos de jogo (MarioKart GP, Match Race, Time Trial e Battle Mode).

A seleção de personagens era um dos maiores atrativos do jogo. Poder guiar um kart pilotado por alguns dos heróis mais queridos da época era uma sensação que atraiu os jogadores logo de cara. Fosse por afinidade ou estilo de jogo (os personagens variavam entre: equilibrados; boa aceleração e controle; e pesados com alta velocidade final), a possibilidade de escolhas era ótima. Confira a lista de personagens e seus atributos logo abaixo:

Os protagonistas (Mario e Luigi)

Mario e Luigi em Super Mario Kart

Aceleração: ●●  Velocidade Máxima: ●●●   Peso: ●●   Estabilidade: ●●

O dragão e a mocinha (Yoshi e Princess Toadstool)

Yoshi e Peach em Super Mario Kart

Aceleração: ●●●●  Velocidade Máxima: ●●   Peso: ●●   Estabilidade: ●

Os vilões (Bowser e Donkey Kong Jr.)

Bowser e Donkey Kong Jr. em Super Mario Kart

Aceleração: ●   Velocidade Máxima: ●●●●   Peso: ●●●   Estabilidade: ●●

Os carinhas menores (Koopa Troopa e Toad)

Koopa Troopa e Toad em Super Mario Kart

Aceleração: ●●●   Velocidade Máxima: ●   Peso: ●   Estabilidade: ●●●

Super Mario Kart traz diversão para todos

Além da diversidade de personagens, os vários modos de jogo eram outro grande atrativo em Super Mario Kart. No MarioKart GP, o jogador compete contra o outros setes personagens em copas de cinco pistas cada, vencendo aquele que conseguir mais pontos. Um segundo jogador também pode fazer parte da disputa, deixando tudo ainda mais imprevisível e divertido.

Caso prefiram uma disputa mais pessoal, dois jogadores ainda podem correr um contra o outro, sem outros adversários, no modo Match Race. Contudo, novos obstáculos surgem nas pistas para deixar tudo ainda mais imprevisível.

O jogo realmente foi pensado para ser jogado com um amigo. Até quando é jogado sozinho, a tela permanece dividida, mostrando o mapa ou a visão do retrovisor do kart. Com um segundo jogador, aliás, também é possível se divertir no Battle Mode, onde os personagens se enfrentam em pequenas arenas na busca desenfreada para estourar os balões de vida do adversário.

Para os que preferem uma jogatina solitária, contudo, o jogo também reserva o modo Time Trial, no qual é preciso correr o mais rápido possível contra o tempo, com direito até a fantasma que reproduz as melhores voltas para que você tente superá-la.

A magia

Toda essa variedade de modos e personagens não valeria de muita coisa sem a qualidade técnica do jogo. São gráficos coloridos, com belos sprites e cenários que simulam bem o efeito de rotação e profundidade graças ao poderoso chip Mode 7. São as tradicionais melodias, acompanhadas de novos ritmos. É a desafiadora e eficiente jogabilidade. Super Mario Kart é competente na maioria dos quesitos.

Jogá-lo é bastante simples. Basta controlar a direção do kart no direcional, acelerar com B, usar os itens com A, frear em Y – duvido muito que você precise disso -, e saltar/deslizar com os botões de ombro. Tudo muito simples e intuitivo.

É justamente dessa simplicidade que surge a beleza do jogo. Jogos de corrida já existiam aos montes. Mas nenhum deles permitia percorrer circuitos localizados nos cenários de Super Mario World, como os castelos fantasmas, a fortaleza de Bowser, as planícies da Dinossaur Land, a ilha de chocolate, a praia dos Koopas, O Gélido lago de Vanilla.

Para isso, bastava escolher uma das quatro copas – Mushroom Cup, Flower Cup, Star Cup e Special Cup – e ser feliz. Até a dificuldade é ajustável. Basta escolher entre 50cc, 100cc ou 150cc. E, por fim, tinham os benditos itens, que devem ter acabado com várias amizades.

Se já não fosse suficiente correr contra os adversários, era preciso escapar da enxurrada de ataques vindos de cascos verdes e vermelhos, raios, estrelas, cogumelos de velocidade, e até ovos, bolas de fogo e cogumelos envenenados atirados por outros inimigos, deixando a corrida que já era maluca, ainda mais insana.

Um clássico

Com belos visuais, modos de jogo variados. personagens adorados, e uma imprevisibilidade insanamente divertida, Super Mario Kart se tornou um dos maiores sucessos do Super Nintendo, vendendo mais de 8 milhões de cópias, criando conceitos que seriam replicados por dezenas de outros jogos, dando origem a uma série amada e mostrando que Mario e sua turma poderia fazer o que quisesse nos jogos eletrônicos, principalmente correr de kart em disputadas malucas, sem regras e incompreensivelmente viciantes.

Vídeo

Super Mario Kart Longplay – Fonte: World of Longplays

Curiosidade

Por mais incrível que possa parecer, Super Mario Kart tem, até hoje, uma cena competitiva! Mais de vinte anos depois do lançamento, ainda tem uma galera jogando e competindo pelos melhores tempos, com direito a site e tudo!

Compartilhe com a galera:

FacebookTwitterGoogle+

Leia mais sobre: , ,


Leia a Revista Jogo Véio

Revista Jogo Véio - Gratuita, pra ler no PC, no Tablet e no Smartphone

Junte-se ao Asilo