Está aberta a Oficina Retrogamer

por Lucas Rodrigues em 29 de janeiro de 2018

Você é um véio que adora videogames?

Gosta de ficar por dentro de tudo o que acontece nos bastidores do seu jogo favorito?

Quer acompanhar detalhes sobre concept art, programação, VGM, debugging e tantas outras atividades que fizeram parte do processo de desenvolvimento daquele clássico que não sai da sua cabeça (seja ele em cartucho de Nintendinho ou em mídia digital)?

Quer aprender a fazer o seu próprio jogo do zero?

Se a resposta for “sim” para pelo menos uma das perguntas anteriores, basta acompanhar a coluna Oficina Retrogamer aqui no Jogo Véio.

Quem somos

O início dos anos 2000 foi uma fábrica de sonhos para os jovens que cresceram cercados de jogos de Super Nintendo, Mega Drive e PlayStation. Quando a criatividade aflorava, trazíamos tudo o que víamos nas aventuras digitais para a vida real.

Aos doze anos, dois garotos começam a construir super carros de controle remoto cheios de canhões e metralhadoras após jogarem Vigilante 8. Quando vão à locadora e compram Tony Hawk’s Pro Skater 4, sonham em se tornarem skatistas profissionais e saem pela cidade fazendo manobras radicais com suas pranchas de quatro rodas (ou ralando os joelhos em cada esquina). Gran Turismo trouxe a vontade de tornarem-se pilotos de corrida (que ficou só na vontade mesmo, pois seus pais não deixaram que eles dirigissem seus fuscas). Resident Evil 3 despertou a vontade de… bom, nesse caso não despertou nada mesmo. Acho que enfrentar Nemesis só nos videogames é o suficiente.

Conforme os anos se passaram, eles descobriram sua verdadeira vocação. Uma única vida não seria suficiente para suprir todas as necessidades destes dois jovens sonhadores. O destino deles era criar jogos, onde poderiam tornar-se tudo o que desejavam!

Atualmente, os jovens sonhadores possuem formação nas áreas de design gráfico e análise e desenvolvimento de sistemas e decidem que está na hora de colocar a mão na massa. A paixão por jogos já não cabe dentro do peito e precisa ser externalizada em forma de textos, vídeos, tutoriais, livros e até mesmo jogos indies.

Confira quem são nossos players:

 

Leia também:  Level Design - Act 2: Mega Man X e a perfeição da primeira fase

Ricardo Ribeiro (Tio Luiz lvl 28)

Descrição: Formado em Design Gráfico e também em Cinema. É Sonysta, Minigameiro e sempre escolheu o Bulbasaur como inicial.

Skills: Game design, modelagem 3D e arbitragem de criptomoedas.

Histórico: Trabalha com desenvolvimento de simulações e jogos educacionais para universidades. Já teve animação premiada na França e com foco, força e fé, tem mais coisa vindo por aí.

Intenções (além de dominar o mundo): desvendar junto com a veiarada como os jogos são feitos e quem sabe, até fazermos um jogo juntos?!

 

Lucas Rodrigues (Dinossauro Verde lvl 27)

Descrição: Formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Também é Sonysta (PS1 é o melhor console do mundo; contudo, joga de tudo sem o menor preconceito!!), mas prefere o Squirtle.

Skills: Programação, composição e eletrônica básica.

Histórico: Trabalha como professor de inglês, tradutor e consultor de TI/marketing quando necessário. Possui projetos de jogos digitais educativos em fase de desenvolvimento. Também escreve para a Revista Jogo Véio.

Intenções: descobrir com o asilo os mistérios por trás de grandes títulos que fizeram parte de nossas infâncias… e dominar o mundo também.

 

Objetivos

Aqui você encontrará:

  • Arte – mapas de fases, rascunhos de personagens, gráficos de comandos, manuais e tudo mais que for visível aos olhos de um gamer apaixonado.
  • Música – os sons que fizeram parte da sua infância. Aprenda como as músicas eram feitas antigamente, quais ferramentas eram utilizadas, faça download de partituras e toque você mesmo clássicos como Final Fantasy e Chrono Trigger.
  • Curiosidades – dicas, truques, glitchs, debug, fases deletadas, informação sobre eventos importantes que possam ter acontecido com o time de desenvolvimento durante o making-of de jogos épicos.
  • ROM Hacks – saiba mais sobre os principais hacks daquela sua locadora favorita e como eles são feitos.
  • DIY (do it yourself) – faça seus próprios jogos utilizando um pouco de lógica de programação, linguagem C# e algumas ferramentas que indicaremos ao longo do tempo.

Tudo isso e muito mais!

Fale Conosco

Feedback dos leitores é extremamente importante. Caso tenha lido alguma das publicações da Oficina Retrogamer, não se esqueça entrar em contato dizendo o que achou do conteúdo e o que gostaria de ver nos próximos episódios. Esta coluna é exclusivamente dedicada a vocês, véios. É importante ressaltar que não estamos aqui para mostrar nosso trabalho como desenvolvedores, e sim criar conteúdo para aproximá-los do mágico mundo feito de pixels e código assembly.

Deixe seus comentários e juntos faremos a oficina crescer para levar conteúdo a todos os apaixonados por jogos.


Leia mais sobre: , , , , ,